Antes de um novo modelo Audi receber aprovação para produção em série, são realizados testes de validação com unidades pré-série. A atenção é colocada em todo o veículo, com todas as suas funções conectadas. Os especialistas da Audi examinam e avaliam todos os sistemas para garantir o melhor desempenho em qualquer situação.

O planeamento dos veículos pré-série começa dois anos antes dos próprios testes de validação. Tudo começa aproximadamente meio ano antes do início da produção, quando todos os componentes feitos com o equipamento padrão já estão disponíveis, assim como todo o software do novo modelo. Isso permite que haja tempo suficiente para resolver, em colaboração com os departamentos de Desenvolvimento Técnico e Produção, possíveis dificuldades inesperadas que possam surgir.

Para serem cuidadosamente analisados e avaliados, os veículos são conduzidos pelos cinco continentes, da mesma forma que, supostamente, um consumidor o faria. Posteriormente, com programas de testes especificamente projetados, são validadas pela Audi as inovações técnicas importantes que serão incorporadas pela primeira vez num modelo de produção. Se todos os componentes e funções estiverem prontos para aprovação, os novos modelos, como o recente Audi A8, serão apresentados num teste final de validação na estrada. É nesse momento, em que os modelos recebem a aprovação final, que um veículo passa para a produção em série.

Instalações Para Testes

Testes preliminares ocorrem em 17 instalações espalhadas por todo o mundo. Para simular o uso de um utilizador normal, a Audi ensaia veículos pré-série em várias zonas do mundo, com diferentes condições climáticas e em uma gama distinta de temperaturas, entre -30 e +50 graus Celsius. Uma grande variedade de condições rodoviárias e situações de trânsito também são fatores importantes. Além da qualidade dos combustíveis, critérios como as infra-estruturas de reabastecimento para modelos elétricos movidos por baterias, também desempenham um papel de relevo nos testes preliminares.

Cerca de 600 unidades de pré-produção são submetidas a condições reais de condução para um total de entre 50.000 a 100.000 quilômetros. Alguns dos veículos viajam até 200.000 quilômetros, num período de dois a três anos. Todos os carros estão equipados com equipamento especial para medições e verificações, bem como receptores de dados, para que qualquer anomalia detectada pelos especialistas possa ser posteriormente localizada e identificada.

Com a tendência atual de maior digitalização e circulação nas áreas urbanas, os carros são conduzidos em estradas públicas (abertas), nas mesmas condições de um normal utilizador. Além dos aspectos ergonômicos do projeto, os especialistas também verificam a qualidade dos componentes, a acústica e o bom funcionamento dos sistemas conectados. Como parte do programa preliminar de testes, a Audi conduz anualmente cerca de 35 milhões de quilómetros de testes em vários países e condições climáticas. Esta distância é equivalente a cerca de 875 voltas ao mundo e aproximadamente 700.000 horas de operação. Desta forma, a confiabilidade dos modelos é testada em condições extremas, em locais que vão desde centros metropolitanos até climas gelados da Escandinávia ou cenários áridos nos desertos dos EUA e de África.

Validação de qualidade estendida

Para obter informações preliminares valiosas, testes de qualidade são realizados em colaboração com o Departamento de Desenvolvimento Técnico mesmo antes dos próprios testes preliminares. Neste caso, a atenção é especialmente focada em elementos elétricos e eletrónicos, como sistemas de infotainment ou de assistência à condução. Uma equipe de especialistas em Desenvolvimento de Qualidade e Testes vai para a estrada, com veículos especialmente configurados. Um dos objetivos é identificar possíveis erros nas unidades de controlo e sua comunicação. Os carros usados ​​nestes testes de validação de qualidade possuem instrumentos complexos a bordo, alguns deles do tamanho de uma mala grande. Em pares, pilotos e co-pilotos seguem uma lista de tarefas pré-definidas, sujeitando o carro e os seus sistemas a todos os tipos de testes e provas. Além disso, os instrumentos de medição documentam todos os dados disponíveis, que são utilizados como base para análises futuras.

A Pensar no Utilizador

Diferentes tipos de condutores participam dos testes preliminares: condutores regulares ou esporádicos, dinâmicos ou moderados, mulheres ou homens, pessoas de diferentes tamanhos e idades… Todos eles recolhem impressões gerais e avaliam questões especificas, relacionadas com todos os aspectos do carro.

O crescente número de desafios colocados pela digitalização levou a uma expansão do alcance das validações nos últimos anos. E, claro, as numerosas novas funções de conectividade são verificadas. Hoje em dia, este tipo de testes não são realizados sem um smartphone e um cartão SIM. “Os clientes têm grandes expectativas para o Audi”, diz Arnd von dem Bussche-Hünnefeld, responsável pelos testes de qualidade de qualidade do veículo. Se um smartphone não estiver conectado imediatamente ao carro, o usuário geralmente identifica isso com o carro primeiro e não com o telefone celular, mesmo quando o problema reside no último. Consequentemente, essas funções são sistematicamente verificadas pela Audi.

Instrumentos Complexos para Análise de Dados

A equipe do Departamento de Garantia da Qualidade emprega sistemas de armazenamento para lidar com a crescente complexidade do processamento a bordo de grandes quantidades de dados. São unidades do tamanho de uma caixa de sapatos, instaladas no carro. Elas são usadas em instalações em todo o mundo, acumulando continuamente dados dos veículos. Só nos testes de validação do novo Audi A8, por exemplo, foram registados cerca de 80 terabytes de dados. Isso permite uma análise minuciosa de qualquer possível falha do veículo; Um registo contínuo desse tipo é a única maneira de detectar erros esporádicos. Os dados gravados são analisados de forma contínua e automática. Sempre que um problema é detetado, uma análise detalhada é realizada pelos especialistas da Quality Assurance. Em seguida, eles definem as ações corretivas e verificam a sua eficácia em testes adicionais.

Digitalização e Inovação: Condução Autónoma

Com o novo A8, a Audi adiciona um grande número de novos sistemas de assistência ao motor num modelo de produção. Antes da sua aplicação em série, a equipe de controlo de qualidade validou a funcionalidade de todos esses sistemas após muitos milhares de quilómetros. Os engenheiros estão atualmente a trabalhar no serviço de estacionamento inteligente. “Para validar o Park Assist, estacionamos o veículo alguns milhares de vezes. E não foi tanto o número como a maior variedade possível de condições diferentes, como as dimensões e a orientação do espaço de estacionamento em questão, bem como o tipo de área de estacionamento. Por esse motivo, também validámos o sistema em várias instalações de teste em todo o mundo”, explica Stefan Stümper, da equipe de Quality Checking para a condução autónoma.

App CarPad

O uso de dispositivos portáteis para coleta de dados e o aplicativo CarPad tornam os ensaios preliminares mais fáceis nos dias de hoje, já que permitem uma avaliação sobre o progresso dos complexos sistemas do veículo. Onde anteriormente as listas de controlo teriam de ser parcialmente concluídas à mão, a entrada de dados por especialistas em qualidade é agora executada com a app CarPad. O condutor pode selecionar a função que precisa validar através de uma lista e consultar imediatamente a classificação, pressionando com o dedo. É possível registar detalhes específicos de cada manobra de condução, num campo de comentários. A app CarPad sincroniza os dados inseridos com os bancos de dados Audi Quality Check, através de um transmissor ou via WiFi.

Acústica do Veículo

A acústica é uma competência fundamental do Departamento de Garantia de Qualidade da Audi. As novas tecnologias, especificamente a eletrificação do sistema de propulsão, afetam a acústica do veículo de muitas maneiras, produzindo novos desafios. É conveniente ouvir com atenção, porque os carros de propulsão puramente elétricos não são completamente silenciosos e trazem com eles fenómenos de som totalmente novos. A análise das vibrações, ou seja, a investigação dos ruídos que ocorrem durante a condução, deve ser redefinida na era da mobilidade elétrica. Também nesse capítulo, a Audi usa métodos de análise inovadores.

A equipe de acústica do veículo analisa as várias vibrações que se sentem dentro do carro durante a condução. Como o motor elétrico é relativamente discreto, o ruído é ouvido em carros convencionais, sendo atenuados pelo som do motor de combustão interna. O desafio em ensaios preliminares é avaliar e localizar sons intrusivos. Para analisar as diferentes rotas das transmissões acústicas, os técnicos especializados usam instrumentos modernos, como uma cabeça artificial equipada com dois microfones altamente sensíveis que simulam a orelha humana. Um acelerómetro também é usado regularmente. A análise modal experimental é aqui usada para visualizar vibrações intrusivas das estruturas.
A partir da análise, os especialistas em acústica trabalham com o Departamento de Desenvolvimento Técnico para desenvolver soluções que atenuem, erradiquem ou atenuem esses ruídos. “Durante os testes preliminares, moldamos ativamente o som de cada Audi”, explica o especialista em qualidade da acústica do veículo, Andreas Wolf. “Um Audi movido eletricamente deve soar com a mesma impressão de alta qualidade que um Audi com um motor de combustão interna”.

 

Fotos: Audi