Quem pense ao ler este título que estamos a noticiar uma qualquer sessão de jogos de sorte e azar, não fica muito longe do que se passou hoje, na segunda corrida noturna do DTM, que encerrou a visita do campeonato ao traçado italiano de Misano, para a disputa da 7ª etapa de uma temporada que está longe de ser monótona.

Numa corrida em que, no início, ninguém sabia muito bem qual seria a escolha de pneus mais acertada, deu-se o arranque, em que uns iam de ‘slicks’, outros de ‘wets’. Na saída da chicane que marca as curvas 1 e 2, o ‘verniz estalou’ quando Timo Glock tentou furar pelo 3º lugar de René Rast. Quis a sorte que o BMW que desequilibrou o Audi fosse quem o amparou, para que tudo corresse dentro de uma aparente normalidade.

Enquanto desde o arranque, Edoardo Mortara assumia a liderança da corrida, começou o jogo das paragens na boxe e muitos arriscaram logo em colocar pneus ‘slick’. A opção foi-se revelando errada, à medida que as voltas passavam, a pista não secava e os melhores tempos eram de quem estava ‘calçado’ para a intempérie. A situação agravou-se com 40 minutos de corrida ainda pela frente, quando mais de metade do pelotão já havia optado por ‘slicks’ e caiu uma valente ‘carga de água’ em grande parte do circuito. Com o caos instalado, muitos de imediato entraram segunda vez para voltar a ‘calçar’ pneus de chuva, enquanto indiferentes a tudo isto, por esta ordem, Edoardo Mortara (Mercedes), Rene Rast (Audi), Robin Frijns (Audi) e o experiente e tão talentoso, Alex Zanardi, se mantinham em pista. No meio das ‘trocas e baldrocas’ de pneus, ainda Lucas Auer perdeu o controlo do Mercedes e ficou ‘cravado’ na gravilha, forçando à entrada do Safety Car.

Quando a corrida recomeçou, assistimos ao embate forte do BMW de Augusto Farfus no muro das boxes, quando este perdeu a traseira ao tentar evitar bater no Audi de Nico Müller. O brasileiro andou até ao fim da reta da meta, mas apenas para estacionar sem obrigar a nova entrada do Safety Car, para logo abandonar.

Na frente seguia Edoardo Mortara, líder imperturbável, seguido de René Rast, Robin Frijns e Alex Zanardi, mas estes ainda não haviam parado, o que colocava na liderança virtual da prova o ‘rookie’ Joel Eriksson, no BMW M4.

Rast foi o primeiro a parar, depois veio Mortara, a cinco minutos do fim da prova, sensivelmente ao mesmo tempo que também Alex Zanardi fazia a visita obrigatória à boxe. Frijns foi o que parou mais tarde, herdando a liderança da corrida, mas seguindo uma tática que só ele saberá explicar, pois quando da entrada na boxe caía para fora do pódio. Realmente, poucos terão sido os que entenderam porque terá o holandês retardado tanto a paragem, visto que à medida que a corrida foi prosseguindo, a degradação dos seus pneus não ajudava ao desempenho.

Assim, foi já na entrada para a última volta que o holandês entrou para ‘calçar’ nova borracha no Audi RS5 e retornar em 4º.

Na última volta, Joel Eriksson seguiu tranquilo na primeira posição, sem errar, mesmo sabendo que com os pneus novos, Edoardo Mortara vinha chegando bem depressa. O sueco, ‘rookie’ e piloto da BMW, venceu mesmo, o que sucede pela primeira vez na sua carreira no DTM.

“Isto é inacreditável”, disse Joel Eriksson que mal conseguia conter as emoções. “Desde criança que sonho vencer uma corrida no DTM. Estou sem palavras”.

Apesar do ritmo forte imposto por Edoardo Mortara com os pneus novos, aparentemente a ida à boxe ocorreu tarde de mais, deixando o italiano sem tempo para recuperar a primeira posição. Assim sendo, Mortara foi segundo, o que fortaleceu a notável prestação do piloto em Misano, onde ontem tinha sido 3º.

No derradeiro lugar do pódio ficou René Rast, que de novo esteve impecável no Audi RS5 do Team Rosberg.

A quarta posição ficou na posse de Robin Frijns, mais um piloto da Audi com excelente desempenho em Misano, onde ontem havia sido 2º.

Mas, na ‘mágica’ noite do DTM em solo italiano, falta dizer que Alex Zanardi foi 5º classificado. O piloto italiano, um talento sem tamanho, mostrou toda a sua mestria e experiência, gerindo as situações da corrida e lendo na perfeição a hora certa de entrar na boxe para colocar pneus novos. Com as limitações da sua condição física a serem sublinhadas na condução do BMW à chuva, o italiano fez das fraquezas forças e mostrou a dimensão do seu talento.

Do 6º ao 10º lugar, ficaram classificados: Paul Di Resta (Mercedes), Loïc Duval (Audi), Jamie Green (Audi), Mike Rockenfeller (Audi) e Nico Müller (Audi).

Nas contas do campeonato, Gary Paffett caiu para a segunda posição com 177 pontos, nove a menos que o líder, Paul Di Resta. Paffett teve um fim de semana para esquecer em Misano, sendo tocado em ambas as corridas por pilotos que, como ele, correm pela Mercedes. Na 3ª posição do campeonato segue Edoardo Mortara com 138 pontos.

A próxima jornada dupla do DTM corre-se no Nürburgring, de 7 a 9 de Setembro.

Texto: Jorge Cabrita  Fotos: DTM Media