Flash Teste Honda Civic 1.5 Turbo Sedan: Alternativa Familiar

Gostamos do conforto que se sente, à frente ou atrás, assim como da forma e função de todos os comandos acessíveis ao condutor e aqueles a que quem viaja ao lado também pode aceder.

0

 

A versão Sedan já fazia falta no novo Civic, que agora se assume como uma proposta completa, capaz de seduzir um vasto leque de apreciadores do modelo japonês.

O arrojo nunca fez mal a ninguém e a capacidade de rasgar tradições rumo à evolução também não. Ainda bem que a Honda fez isso quando criou a nova geração Civic. Agora, chegou mais um membro a uma família  revigorada. A versão Sedan vem completar a oferta que agora é mesmo para todos os gostos, os bons pelo menos.

O novo Civic é grande, capaz por isso de outros trunfos na comparação com a geração anterior, a começar pela estética que muito evoluiu. Devo confessar que, desde que vi as primeiras fotos do Sedan, logo achei que seria o ‘patinho feio’ desta nova geração. Nada disso, ao vivo tudo ganha outra dimensão e assim foi também após uma análise mais cuidada a esta proposta da Honda. É grande e com isso tem outros atributos, mais ainda, para cativar o chefe de família que procura um carro com amplitude e capaz de proporcionar prazer de condução. Pois, o Civic Sedan, com o motor 1.5 Turbo, garante ser capaz de pelo menos tudo isso.

Estética – Aprende-se a Gostar

É impossível ficarmos indiferentes às linhas da nova geração Civic. Especialmente na dianteira, os traços da mais recente proposta de segmento médio do construtor nipónico, são encantadores. Já havíamos visto isso quando testámos o 1.0 i-VTEC Turbo, ficámos ainda mais encantados quando pudemos ‘experimentar’ o Type R (que publicaremos este fim-de-semana) e continuámos a sentir o mesmo ‘poder de atração’ no confronto visual com a parte anterior do Sedan. A marca japonesa conseguiu criar pequenas diferenças em cada uma das propostas e é visível que no Sedan tudo é muito menos elaborado, para criar um ambiente mais neutro, mais familiar e menos agressivo.

Óbvias diferenças há também na lateral, muito mais comprida que no Civic coupé (138mm) e também na traseira, que usa as mesmas óticas, mas todo um ‘arrumo’ diferente, compreensível quando se trata da versão de três volumes.

De tudo isto, resulta uma proposta preparada para tentar até cativar o público mais conservador e ‘endinheirado’, até aqui cliente do Accord, a proposta de gama superior da Honda, que aparentemente não vai ter continuidade.

Espaço e Ambiente Moderno

No seu interior, a versão Sedan do Honda Civic já não tem tanto de novo para apresentar. Enaltece-se o design moderno e um estilo que concilia a funcionalidade com a sobriedade e elegância. Gostamos do conforto que se sente, à frente ou atrás, assim como da forma e função de todos os comandos acessíveis ao condutor e aqueles a que quem viaja ao lado também pode aceder. Tal como já havíamos visto e experimentado na versão coupé, existe espaço e conforto atrás, além de um bom ângulo de visão para quem viaja na segunda fila de bancos, especialmente se o condutor optar por afinar o seu banco para estar o mais baixo possível.

Motor – Cumpridor Para Um Bom Gama Média

Para analisar o motor 1.5 Turbo presente neste Civic Sedan, temos que o fazer de duas distintas perspetivas. Na primeira, pensando nesta proposta para o segmento médio (o seu habitat natural), a opção 1.5 Turbo é por demais válida. Senão vejamos: necessita de 8,1s para chegar dos 0 aos 100 km/h e atinge os 210 km/h. O consumo é em média de 7,3 lt, ou seja andámos quase na média que a marca apregoa (7,4). Com estes números e com um binário muito interessante, esta proposta cai como ‘sopa no mel’ no trivial chefe de família, ou até mesmo numa ampla gama de soluções para um veículo de um quadro medio/superior de empresa. No entanto, se a marca pensa no Civic – especialmente no Sedan – para cativar um cliente quiçá mais exigente, mais perto do ‘extinto’ Accord, a fasquia terá que subir um pouco mais, também no capítulo da motorização. Acredito que para já, a opção diesel, que agora também já vai estando disponível, será a que mais facilmente agradará aos dois ‘públicos’.

Em Estrada – Um Familiar Com Essência

Depois de já termos andado com uma série de motorizações e versões presentes na nova gama Civic (falta ainda testar o diesel), temos que concluir que a marca trabalhou de forma imperial na conceção das diversas escolhas que possibilitou aos potenciais clientes. Os carros têm formas e comportamentos distintos e, em todas elas, se enquadram naquilo que o seu eventual público alvo vai querer ver. Assim é também com esta versão Sedan.

A opção de motorização a gasolina é a adequada – o 1.0 seria uma proposta penosa nesta mais longa versão do Civic – e isso também se enaltece no comportamento geral deste modelo. Não é super veloz, mas também não se ‘arrasta’ e tem um comportamento eficaz em estrada. Curva bem, graças a uma notável inserção da frente, embora, para o nosso gosto, adorne um bocadinho, mas nada de transcendente. Deve-se enaltecer também que se este Sedan adorna um pouco em curva, isso se deve ao conforto geral que proporciona aos utilizadores, através de uma regulação neutra da suspensão, pensada para boas estradas, mas que não descura a necessidade de suportar com eficácia os pisos mais irregulares

Gostámos de não ouvir muito o motor, o que diz da sua qualidade e da do habitáculo, no capítulo da insonorização.

A proposta é interessante e sem dúvida uma eficiente alternativa – a quase todos os níveis –  a um veículo de gama alta da marca. Não é de certeza o Civic mais bonito desta nova linhagem, mas talvez seja aquele que maiores atributos reúne para uma ampla faixa de mercado.

Texto: Jorge Cabrita  Fotos: José Lourenço e Jorge Cabrita

Ficha Técnica Honda Civic 1.5 Turbo Sedan

Motor: Gasolina, 4 cilindros em linha, Injeção direta c/turbo
Cilindrada (cc): 1498
Diâmetro x Curso (mm): 73 x 89,5
Taxa de Compressão: 10,6
Potência (cv/rpm):182/5500
Binário (Nm/rpm): 240/1900-5000
Transmissão/Direção: Tração dianteira, Caixa manual 6 velocidades/Pinhão e cremalheira c/assistência elétrica
Suspensão (ft/tr): Independente tipo McPherson/Independente multibraços
Prestações
0 a 100 km/h (s): 8,1
Velocidade máxima (km/h): 210
Consumos anunciados (Urbano/Extra-urbano/Misto) (lt/100km): 4,7/7,4/5,7
Dimensões e Pesos
Comp./Larg./Alt. (mm): 4648/1799/1416
Distância entre eixos (mm): 2698
Largura de vias (ft/tr) (mm): 1543/1557
Travões (ft/tr): Discos ventilados/Discos
Bagageira (lt): 519
Depósito (lt): 46
Pneus (ft/tr): 215/55 R16
Peso (kg): 1246
Preço (€): 33.750