A corrida em Gateway Motorsports Park começou com o autor da pole position e líder do campeonato, Scott Dixon, a assumir a ponta, situação que durou 150 voltas.

Mas, o dia de ontem estava destinado a Will Power, que teve soberba oportunidade para se redimir do resultado nesta pista em 2017, quando abandonou a corrida e as chances de lutar pelo título na Verizon IndyCar Series. Esta madrugada, no entanto, a história foi outra. O piloto do #12 Verizon Team Penske Chevrolet, com ritmo impressionante e um carro ‘voador’, assumiu a liderança à 150ª passagem pela linha de meta. Voltou à 2ª posição na 240ª volta (a oito do final) , quando parou rotineiramente nas boxes e regressou ao primeiro posto quando Scott Dixon fez o mesmo. A vitória que ontem obteve em Gateway Motorsports Park, coloca-o a apenas 68 pontos de Scott Dixon, quando faltam duas jornadas para a conclusão do campeonato. Alexander Rossi e Scott Dixon asseguraram os restantes lugares do pódio.

“Tinha tanta velocidade disponível, que às tantas se tornou divertido”, disse Will Power. “Nunca antes tinha passado tantos carros. Limitei-me a ire acumulando ‘fichas, uma após a outra: Mas, apesar de tudo, o carro não estava muito bom ontem à noite ( qualificação). Tivemos todos que trabalhar muito e tive que conversar muito com o engenheiro. No final, encontrámos um bom setup, que acabou por ser mesmo o mais acertado. Diverti-me muito em pista e estou muito feliz por vencer a primeira corrida em que tive o Roger (Penske) como estrategista. Quando ele me disse que eu poderia andar a fundo e não me preocupar em poupar combustível, acho que foi um momento alto, numa corrida em que me diverti muito. Como se pôde ver, o ano passado era muito difícil passar aqui e este ano, o ‘package’ da IndyCar resultou mito bem, pôde haver ultrapassagens e muita competição em pista”.

Com as contas do combustível a desempenharem um papel preponderante na corrida, Alexander Rossi e Scott Dixon acabaram por, nas voltas finais, hipotecar todas as chances de lutar pela vitória, ao irem à boxe para um ‘splash and dash’. Rossi acabou por ser 2º, a míseros 1.311s do vencedor. No final, havia alguma frustração presente no piloto do #27 NAPA Auto Parts Honda da Andretti Autosport.

Alexander Rossi

“É sempre um jogo mental, pois estás obviamente a tentar que a gestão do combustível te permita fazer um X número de voltas, isto se quiseres poupar um reabastecimento”, disse Alexander Rossi. “Contrariamente ao que aconteceu nas Indy 500 em 2016, eu não tive um companheiro de equipa para me ajudar hoje, pelo que tive que ser eu a tentar gerir tudo isto. De qualquer modo, foi excelente o trabalho da equipa e do Rob Edwards (estrategista), por me fazerem acreditar que eu seria capaz de gerir. Claro que queria ganhar a corrida, mas o objetivo principal era bater o Scott Dixon e isso foi atingido”.

Após sair da pole position, Scott Dixon ainda liderou na fase inicial e regressou ao primeiro posto até às derradeiras oito voltas. Tal como sucedeu com Alexander Rossi, Dixon acabou por ter de entrar com o #9 PNC Bank Chip Ganassi Racing Honda, para um ‘splash and dash’, acabando depois por se limitar a trazer o laranja e azul até ao fim, para garantir um pódio e importantes pontos na tabela que lidera.

Scott Dixon

“Hoje estiverem em pista duas diferentes estratégias de combustível e estou um pouco furioso comigo próprio por não ter escolhido a correta quando tive oportunidade”, disse Scott Dixon. “Mesmo assim, não sei se teria feito grande diferença no final, mas este é um sólido resultado em que apenas perdemos alguns pontos para o Rossi”.

Simon Pagenaud levou o #22 Chevrolet do Team Penske ao 4º lugar, sendo seguido de Zach Zeach, no #16 Honda da Andretti Autosport.

Do 6º ao 10º lugar, ficaram ainda colocados, Spencer Pigot (#21 Chevrolet Ed Carpenter Racing), Josef Newgarden (#1 Chevrolet Team Penske), Ed Jones (#10 Honda Chip Ganassi Racing), Takuma Sato (#30 Honda Rahal Letterman Lanigan Racing) e Graham Rahal (#15 Honda Rahal Letterman Lanigan Racing).

O campeonato prossegue na próxima semana, com o Grand Prix of Portland.

Scott Dixon é lder com 568 pontos, seguido de Alexander Rossi (542) e Will Power (500).

Texto: Jorge Cabrita  Fotos: IndyCar Media (Shawn Gritzmacher, Chris Jones, Chris Owens, Matt Fraver)