O Stinger é a nova berlina desportiva da KIA, que chegará aos mercados ainda neste trimestre de 2017. Trata-se do veículo mais performante até hoje concebido pela marca de Seul. O modelo baseia-se no KIA GT Concept, mostrado ao mundo em 2011. Com uma estética chamativa, imponente até, este Stinger faz das suas generosas dimensões trunfos, conseguindo conjugar na perfeição músculo com elegância, força com estilo.

Desenhado sob o olhar atento de Peter Schreyer, a nova proposta da KIA vai ser mais um marcador do sucesso recente desta marca, na sua política de lançamento de produtos apelativos, competitivos em termos de preço e fiáveis, no desempenho e qualidade. O desenho desta nova berlina consegue manter-se fiel aos traços recentes dos modelos deste construtor, sem no entanto deixar de trazer algo novo.

A grelha dianteira transporta essa semelhança com os modelos mais recentes KIA, num perfeito encaixe com as enormes entradas de ar (incluindo as do capot) e tudo isto joga na perfeição com as óticas, que dão o toque final na extrema elegância desta nova proposta. Stinger, é um nome que ligamos a um míssil, e este KIA será, com certeza, um bom argumento para uma condução desportiva, dentro de limites, claro. É um automóvel grande, basta ver que tem 4,830 mm de comprimento e 1,870 mm de largura. Volume de facto, bem que podia ser o seu nome do meio.

Será decerto ainda mais impressionante na linha GT Line, aquela que mais argumentos desportivos (estéticos entenda-se) aporta a este modelo, com a grelha dianteira em forma de nariz de tigre em tom cromado escuro, grupos óticos LED, dupla saída de escape e jantes de 18″ ou 19″ e pinças de travão Brembo vermelhas. Disponíveis estão também, dependendo da versão, os logos GT ou GT Line.

No interior, está disponível um habitáculo sóbrio e espaçoso, mas que ainda assim traduz uma atmosfera desportiva, desde logo pela ideia de teto baixo proporcionada pelo parabrisas bastante inclinado. Os comandos estão bem posicionados e são de fácil acesso intuitivo, com os de informação e info-entretenimento de um lado e os da climatização de outro. O volante é desportivo, essencialmente para as versões GTe GT Line que, na nossa modesta opinião, serão as mais apelativas. Afinal de contas, os olhos não comem, mas quase.

A instrumentação mistura muito bem o analógico com o digital. Agrada o painel TFT que nos mostra dados de performance, forças G laterais, tempos por volta (para uma utilização em circuito), temperatura do óleo, para além daquela informação generalista que é muito importante – computador de bordo, ajustes do condutor, navegação, diagnósticos, etc..

Para ajudar à funcionalidade interior, conta com painel HUD (Head-Up Display), écran tátil de 7″, onde se encontram o sistema de navegação com camera de assistência ao estacionamento e acessibilidade garantida aos sistemas Android Auto e serviços de conetividade TomTom. O sistema de som é Harman-Kardon de 720 w.

Conforto, estabilidade, segurança, testado no Nürburgring

A KIA concebeu uma berlina GT com impressionantes atributos dinâmicos e isso foi aperfeiçoado no mítico circuito de Nürburgring, mais concretamente no extenso Nordschleife, sob a batuta de Albert Bierman, o diretor de testes a veículos e responsável pelo desenvolvimento de alta performance na KIA. Como resultado deste apurado desenvolvimento, o Stinger conta com um chassis extremamente equilibrado, com boa rigidez e isento de vibrações e ruídos. Utiliza uma suspensão dianteira do tipo MacPherson e multibraços atrás, com barra estabilizadora reforçada para maior fidelidade na trajetória.

A suspensão do KIA Stinger é do tipo ECS (controlada eletronicamente), prevendo as reações do condutor através de modos programados pelo Drive Mode Select, que se adapta às condições de estrada e tipo de condução. Este modo também permite enrijecer ou suavizar os amortecedores dianteiros e traseiros, para que se possa desfrutar de maior conforto ou dinâmica desportiva nesta berlina GT. O ECS pode ser utilizado nos modos, Eco, Sport, Sport+, Confort e Smart, estando instalado em todas as versões GT.

A direção é de cremalheira, com relação variável assistida por um motor elétrico (R-MDPS), para ajudar ao melhor desempenho de um automóvel que utiliza pneus 225/45 R18 (19″ nas versões GT) à frente e trás, o que varia para 225/40 R19 à frente e 255/35 R19 atrás, na versão que utiliza o motor V6 de 3.3 litros.

Em termos de segurança, o Stinger conta com inúmeros sistemas avançados, tais como; ADAS (Advanced Driver Assistance Systems), Sistema de Gestão de Estabilidade do Veículo, que atua em conjunto com o Sistema de Controlo de Estabilidade, sistema de alerta à atenção do condutor (previne relativamente à sonolência), além do automóvel em si também assegurar enorme rigidez, graças ao chassis de aço de elevada resistência. De série, este KIA inclui sete airbags (frontais, laterais dianteiros e de cortina e joelhos para o condutor).

As motorizações disponíveis para o KIA Stinger são, obviamente, a gasolina e a diesel. Para a Europa, apenas uma versão diesel, a 2.2 CRDi de 220 cv, com tração traseira ou integral. As duas motorizações a gasolina são, a 2.0 litros (255 cv) e um 3.3 Turbo de 370 cv. A versão 3,3 está apenas disponível com tração integral e a 2.0 só com tração traseira.

Fotos: KIA