Brad Keselowski fez a sua primeira corrida na Monster Energy NASCAR Cup Series em 2009, na 2009 Aaron’s 499 em Talladega Superspeedway, quando pilotava para a humilde Phoenix Racing.

Keselowski conseguiu vencer após um contato com Carl Edwards, em um dos finais mais polêmicos e mais discutidos da história recente da Cup Series.

Na época, Keselowski competia na Xfinity Series em tempo integral pela JR Motorsports, e devido aos bons resultados, entrou para a Hendrick Motorsports, que dava o suporte para a Phoenix Racing e Keselowski fazerem algumas etapas na Cup Series.

“Essa foi uma enorme vitória para mim”,  lembrou Keselowski. “Acho que a primeira vitória me colocou em posição de estar na Penske. Não sei se estaria lá sem isso, isso foi enorme para mim”.

No fim de 2009, Ryan Newman deixou a Team Penske para se juntar à Stewart-Haas Racing. Roger Penske não pensou duas vezes e procurou Brad Keselowski, que passou a pilotar o carro #22 da Xfinity Series e o #12 da Cup Series a tempo inteiro.

Das 24 vitorias na carreira pela Cup Series, cinco foram em Talladega. Keselowski é, sem dúvida, um dos melhores pilotos da atualidade nesse tipo de pista.

“Talvez eu tenha tido sorte as cinco vezes”, disse Keselowski. “Há um fator de sorte e também de habilidade”.

Keselowski também comentou sobre táticas, regras e sobre os novos regulamentos.

“O que foi preciso para vencer aqui pela primeira vez, certamente não fará vencer neste final de semana, você tem que adaptar tudo isso”.

“Eu diria que do jeito que os carros estão neste final de semana, será preciso algo diferente para ter sucesso. É um final de semana aberto, muito imprevisível, mesmo para os padrões de Talladega”.

Uma vitória nesse final de semana, garante a vaga nos Playoffs de 2018. Apesar de estar bem colocado na tabela, na quinta posição com 303 pontos, uma vitória tiraria a Brad Keselowski o peso para o resto da temporada.

“Eu acho que Talladega tem sido uma boa pista para nós. Eu venho aqui animado e sentindo que podemos ganhar, é o tipo de confiança que você precisa para ir bem aqui”.

“Também chegamos aqui com bons carros, que sempre facilitam um pouco o trabalho. Este ano os carros estão diferentes, eles são mais rápidos e mais difíceis de manusear”.

“Eu disse a alguém hoje que me senti em 1985, pelo jeito que os carros estão”.

Texto: Wellingson De Souza  Fotos: NASCAR Media/Getty Images (Drew Hellowell, Jared C. Tilton, Jonathan Ferrey, Brian Lawdermilk)