Os congestionamentos de trânsito fantasma ocorrem quando os condutores que circulam à frente travam, o que produz uma reacção em cadeia que provoca que o trânsito atrás vá abrandando e acabe por parar. O fenómeno é agravado durante as férias de Verão, quando famílias de toda a Europa vão massivamente para as estradas. A Ford e investigadores mostram que o uso generalizado da tecnologia de Controlo de Velocidade Cruzeiro Adaptativo, oferecida nos modelos Ford desde o Fiesta até à Transit, pode mitigar e até prevenir congestionamentos fantasmas.

 

Em Portugal, o êxodo anual de Verão das famílias para os destinos de praia é um cenário bem conhecido, embora não tenha nome próprio como na Alemanha, onde tem o apelido de “Blechlawine”, ou “avalanche de metal”.

Nestas estradas com muito movimento, que são comuns em toda a Europa durante as férias de Verão, muitas vezes há os chamados “congestionamentos fantasma”, que aparentemente surgem do nada.

Esses engarrafamentos frustrantes são facilmente causados por factores humanos, como, por exemplo, entrar no trânsito sem sinalização, distracções de condução, maus hábitos de condução e de tempos de reacção, ou travagens desnecessárias. Assim que o condutor pisa o pedal de travão, pode causar uma reacção em cadeia já que outros condutores podem também travar, fazendo com que o fluxo de tráfego abrande e chegue mesmo a parar.

Agora, a Ford e os investigadores da Vanderbilt University, uma universidade privada de investigação no Tennessee, EUA, mostraram que essas retenções poderiam ser reduzidas com o uso generalizado de tecnologia equipada em veículos Ford, desde o Fiesta até à Transit.

A tecnologia Controlo de Velocidade Cruzeiro Adaptativo (ACC) permite reduzir a velocidade e acelerar automaticamente para manter o ritmo com o veículo da frente, sem fadiga ou distracção.

“Uma divertida viagem em família durante as férias de Verão pode se tornar rapidamente irritante quando o trânsito abranda, especialmente quando descobre que não há motivo para um engarrafamento”, diz Torsten Wey, responsável de Tecnologias de Assistência ao Condutor e de Segurança da Ford Europa. “Encorajamos os proprietários de veículos Ford que têm o Controlo de Velocidade Cruzeiro Adaptativo a usá-lo durante as suas viagens de Verão, na esperança de que esta tecnologia inteligente possa ser o primeiro passo para facilitar as suas deslocações”.

Numa pista de testes fechada da Ford, 36 condutores simularam o tráfego normal numa auto-estrada usando a tecnologia ACC. Esses mesmos condutores, voltaram a fazer esse percurso, mas sem a tecnologia, o que significa que tiveram que travar e acelerar o veículo. Durante as demonstrações, foram testados três filas de 12 veículos cada, numa oval de alta velocidade fechada, simulando uma auto-estrada. Os veículos líderes em cada faixa diminuíram de 97 km/h para 64 km/h para replicar uma perturbação do tráfego.

Os resultados: os veículos que usaram o ACC reduziram o impacto de uma ocorrência de travagem mais do que os veículos sem a tecnologia activada. Mesmo com apenas um em cada três veículos a usar o ACC, o teste gerou benefícios similares de redução de tráfego. Sem a tecnologia ACC, cada um dos condutores travou mais do que o veículo à frente, o que levou a uma onda de travagens que se tornou mais pronunciada nos veículos mais recuados em cada uma das filas.

A demonstração foi repetida com todos os veículos a usar o Controlo de Velocidade Cruzeiro Adaptativo ajustado a 100 km/h, apenas um pouco mais elevado do que os veículos líderes, para garantir que os mesmos permanecessem num pelotão constante. Nestas demonstrações, os sistemas ACC superaram os condutores humanos em quase todas as situações de travagem. Numa das vezes, o ACC suprimiu realmente a onda de travagem, tendo o último carro na fila apenas diminuído 8 km/h em vez de parar.

A equipa também reduziu o número de veículos com o ACC activo para 33 por cento. Este é o limite mais baixo que os investigadores acreditavam que poderia ajudar a suprimir os engarrafamentos de tráfego fantasma. Os resultados foram semelhantes às demonstrações com todos os carros com ACC activo.

“Há anos que investigadores de tráfego e engenheiros têm procurado tecnologias de veículos inteligentes para reduzir o congestionamento de tráfego, sejam veículos que comunicam entre si, ou veículos que possam prever o percurso a seguir”, disse Daniel Work, professor de engenharia civil da Universidade Vanderbilt. “Essa demonstração foi uma oportunidade única para entender como as tecnologias activas de assistência ao condutor disponíveis comercialmente podem ser usadas para influenciar positivamente o fluxo de tráfego”.

A Ford oferece actualmente o Controlo de Velocidade Cruzeiro Adaptativo em 80 por cento da gama de veículos comerciais e de passageiros da empresa na Europa, e com o novo Ford Focus introduziu recentemente uma versão aprimorada da tecnologia com Stop & Go, Reconhecimento de Sinais de Limite de Velocidade e a funcionalidade de Centragem na Faixa de Rodagem, para resolver, sem esforço, as situações de trânsito em pára-arranque.

Um anterior projecto de investigação conjunto financiado pela UE, liderado pelo Centro de Investigação e Inovação da Ford, em Aachen, Alemanha, concluiu que os veículos equipados com ACC e tecnologia de Aviso de Colisão Frontal poderiam ajudar a prevenir ou atenuar os efeitos de mais de 5 por cento dos acidentes rodoviários que resultam em ferimentos, poupar aos condutores mais de 3 milhões de horas por ano presos no trânsito, e reduzir o consumo de combustível de automóveis de passageiros em 3 por cento.

Texto e Fotos: Ford  Adaptação: OnWheelsTV