Se existe modelo com que a Honda tem rompido tradições, rasgado regras e criado novos conceitos, é o Civic. Mais uma vez, a marca nipónica irrompe com um novo design para este modelo, que o torna o protótipo do ícone. O ‘problema’ é que desta vez a marca foi mesmo longe, tão longe que agora a fasquia está mesmo alta. Porque o novo Honda Civic, está verdadeiramente arrebatador. Jamais vimos, para um modelo de segmento C, tamanha curiosidade e sentimento de aprovação, por parte das pessoas que diariamente constatámos contemplavam este modelo com verdadeira admiração. Foi, um raro caso de uma tal, “atração fatal”!

Irresistível!

A Honda acertou ‘na mouche’ no estilo criado para a nova geração do Civic, sem dúvida o mais importante de todos os seus modelos. No conjunto de linhas arrojadas e ultra dinâmicas desta nova proposta Honda, sobressai o reforçado ADN oriental, personificado numa arrebatadora imagem frontal, em que o desenho de toda a ‘face’ deste Civic impõe respeito. Todo o conjunto estilístico incoporado nas linhas frontais do novo Honda Civic é de raro bom gosto, mostrando a capacidade da Honda em tornar a inovar no conceito deste tão importante modelo. A agressividade é evidente, no capot que mergulha para a frente do automóvel, onde irrompe a grelha frontal negra, totalmente fechada e controlada pelo logo da marca nipónica. As óticas trazem toda uma outra energia, conforme o ângulo da luz que sobre elas incide, utilizando a capacidade do sistema Full LED para impressionar de forma diversa.
De outro ângulo, podemos ver de forma mais detalhada como está trabalhada a frente do novo Honda Civic e, ao mesmo tempo, perceber todo o dinamismo de linhas que converge para a grelha frontal, plena de músculo mas, acima de tudo, irreverente e elegante.
Também a traseira faz jus à obra de arte global que é o novo Honda Civic. Linhas arrojadas, atrativas, num jogo de estilo, luz e cor, em que as óticas jogam na perfeição com toda a fluência de linhas deste coupé japonês. A forma como o para choques traseiro é um choque de contrastes com o trivial em automóveis deste tipo, é outro detalhe que encanta.

Interior: Trocar A Exuberância Pela Distinção

Outra prova de que a maturidade esteve presente em toda a concepção do novo Honda Civic é o raciocínio que foi seguido para o design interior. A subtileza e objetividade de linhas, fez com que se trocasse o estilo exuberante de ‘cockpit de nave espacial’ pelo conceito prático de um espaço sóbrio, equilibrado e de maior harmonia para quem viaja no seu interior, especialmente para o condutor. O tablier e a consola central do novo Civic estão despojados de ‘confusão’, passando a ganhar e muito na funcionalidade. Destaque para a forma como o painel de instrumentos interage de imediato com o condutor, ao variar um tom branco no topo da instrumentação, até um verde vivo, conforme a nossa condução é mais ou menos verde/limpa.

Este Honda Civic é competente no interior. Por ser o maior Honda Civic de sempre, mais longo, mais largo e mais baixo – o que privilegia o seu desempenho dinâmico -, este Civic torna-se praticamente imbatível para os seus diretos concorrentes, acabando mesmo por amedrontar outros modelos automóveis de segmento superior. Com o acréscimo de espaço para a frente e para os lados, o novo ‘menino bonito’ da Honda permite que os passageiros da primeira e segunda fila de bancos possam viajar de forma bastante confortável, vendo-se livres da pseudo-claustrofobia que por vezes sentimos em certos modelos de segmento C. Também no que diz respeito à bagageira, o novo Civic serve argumentos irrefutáveis, com 430 lt de base disponíveis.

Esta versão 1.0 i-VTEC Turbo do Honda Civic, que pudemos testar, está bem equipada. Trata-se da versão “Executive” que inclui: Chave mãos livres, Sensor de chuva, Sensor de luminosidade, Sensores de estacionamento (ft/tr), Travão de estacionamento elétrico, Camara traseira de auxilio ao estacionamento, Teto de abrir em vidro, Bancos da frente e trás aquecidos, Espelhos retrovisores aquecidos com regulação elétrica, Espelho retrovisor interior com escurecimento automático, Carregador Wi-Fi, Ar-condicionado automático bizona e Chave mãos livres e, entre outros, Cobertura da bagageira reversível. Para maior conforto na utilização, conta ainda com um fantástico sistema de navegação e multimédia “Honda Connect”, além de écran tátil de 7″, rádio AM/FM/DAB, rádio via internet, app AHA e compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto.

O Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo incorpora ainda algumas soluções de segurança ativa/ajudas à condução, tais como: ESP Adaptativo, Modo ECON, Suspensão adaptável, Honda Sensing, Airbag i-SRS para o condutor e SRS para o passageiro c/interruptor de corte, Airbags laterais (ft), Airbags laterais de cortina (ft/tr), ABS, EBD, BA, VSA, HSA, Sistema de travagem atenuante de colisões, Sistema de reconhecimento de sinalização de trânsito, entre outros equipamentos.

Em Estrada – A Surpresa Cresce, Cresce…

Quando aliado a uma estética irresistível temos um comportamento dinâmico ultra-eficiente, então estão reunidos todos os argumentos para que o ‘appeal’ deste Honda Civic 1.0 sejam praticamente irresistíveis. Para a nova geração do seu modelo mais importante, a Honda mexeu de forma substancial na suspensão, assim como no chassis. A suspensão traseira, agora com a presença de um eixo multibraços é mais confortável e, acima de tudo, mais eficiente, garantindo uma outra estabilidade e conforto de rolamento ao Civic. O chassis, claramente melhor em termos de rigidez torsional e lateral, ganhou muito em eficiência.
Embora se trate de um Honda Civic que cresceu muito para a frente e lados e que o seu motor seja ‘apenas’ um 1.0, ainda que com turbo, tendemos a achar que a opção é estranha e até ridícula. Podemos ser levados a pensar que esta proposta não é para ser levada a sério. Isso muda ao fim de poucos quilómetros ao volante deste produto. A capacidade de resposta do motor de 1 litro é notável, verdadeiramente surpreendente. Esquecemo-nos depressa que se trata de um bloco de 1 litro, ao acelerar, ao recuperar rotações, muitas vezes sem recorrer à excelente caixa manual de 6 velocidades. Em curva, foi ainda onde gostámos mais desta proposta. A travagem é eficiente, muito boa diria até. Faltou só que este simpático japonês fosse mais económico no consumo de combustível, já que nunca conseguimos baixar dos 6.9 litros, algo que fica ligeiramente aquém dos valores de alguns dos seus concorrentes. Convém, no entanto, relembrar que este Honda Civic é consideravelmente maior que alguns dos seus mais fortes concorrentes.

Texto: Jorge Cabrita  Fotos: José Lourenço

Ficha Técnica Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo
Motor: Gasolina, 3 cilindros em linha, Injeção direta c/turbo,
Cilindrada (cc): 988
Diâmetro x Curso (mm): 73 X 78,7
Taxa de compressão: 10,0:1
Potência (cv/rpm): 129/5500
Binário (Nm/rpm): 200/2250
Transmissão/Direção: Dianteira, caixa manual de 6 velocidades, pinhão e cremalheira c/assistência elétrica
Suspensão (fr/tr): McPherson/Multilink
Prestações:
– 0 a 100 km/h (s): 8,4
– Velocidade máxima (km/h):  200
– Consumos (Extra-urbano/Urbano/Misto) Lt/100km): 5.0/7,9/6,1
– Emissões de CO² (g/km): 139
Dimensões
– Comprimento/Largura/Altura (mm): 4,518/1,799/1,434
– Distância entre eixos (mm): 2,697
– Largura de vias (fr/tr) (mm): 1,537/1,565
– Travões (fr/tr): Discos ventilados/Discos
– Bagageira (lt): 420/1,267
– Depósito (lt): 46
– Pneus (fr/tr): 215/55 R16/235/45 R17
Peso (kg): 1.275
Preço (versão ensaiada): €30.130.00

REVIEW GERAL
Honda Civic 1.0 i-VETC Turbo
Artigo anteriorMazda Vision Coupé Premiado o Mais Belo Concept Car
Próximo artigoTeste KIA Niro 1.6 PHEV: Família Feliz