Teste Hyundai Kauai 1.6 T-GDi 177cv 4×4: “Missão Impossível”

Com um motor bastante elástico, que com um notável binário permite máximo aproveitamento das suas capacidades e da tração integral, este crossover garante prazer de condução como poucos, entre a sua concorrência.

0

 

A tarefa é por demais ingrata para esta proposta da Hyundai. Claramente, o motor 1.6 T-GDi, associado a uma tração integral e a debitar 177cv, apresenta-se como a melhor proposta dinâmica disponível no Kauai. No entanto, a pesadíssima carga fiscal que sobre ele recai torna a missão de sucesso desta proposta virtualmente impossível. Neste caso, nem mesmo Ethan Hunt conseguirá ‘inventar um milagre’.

Já experimentámos as duas propostas disponíveis no mercado nacional para o modelo Kauai da Hyundai. Claramente, uma delas nos agradou de forma substancial. A opção a gasolina, mais performante, com um motor de 1.6 lt T-GDI de 177cv apresenta-se como um garante de disponibilidade motriz, força e prazer de condução. No entanto, a insensibilidade de uma carga fiscal que ostraciza qualquer veículo de tração integral, acaba por tornar a competitividade desta proposta como algo de insustentável. Com isso, um modelo de inegável valor dinâmico acaba por ter poucas hipóteses de sequer se mostrar como uma alternativa, para o cliente que não quer apenas um crossover por que é moda. Claramente, o Kauai 4WD merecia melhor sorte, pois está condenado à nascença a só ter sucesso em países em que a mentalidade fiscal há muito atingiu uma lógica maturidade.

Ama-se ou Odeia-se

É mesmo assim. Existem modelos que, pelos seus traços pouco convencionais ou controversos, geram reações extremadas. O Hyundai Kauai enquadra-se ‘que nem ginjas’ nesta análise. Os seus traços geram reações instintivas de amor, ou ódio. Ao menos, ninguém se pode queixar que esta proposta tem uma estética discreta.

Creio que todos concordaremos que a frente é o elo mais forte do Hyundai Kauai, no que à estética diz respeito. As óticas estreitas e esguias, conseguem assegurar uma imagem agressiva e preconizam o futuro das linhas do construtor coreano. No entanto, este ‘detalhe’ acaba por ser apenas uma parte do processo de energia que emana da frente do Kauai. O ‘jogo’ do design dianteiro do Kauai é intenso, desde a enorme energia que transborda da grelha dianteira até à forma como as várias ‘formas’ de iluminação se ‘encrustam’ pelo automóvel. Tudo se traduz num intenso desafio ao detalhe que não passa despercebido a ninguém.
O Hyundai Kauai é dinâmico desde logo nas suas linhas, agressivas e musculadas, que dele fazem um dos mais enérgicos modelos do segmento dos SUV compactos. No perfil, o Kauai é corpulento, destacando-se o prolongamento dos para-choques, ao estilo de um qualquer veículo de características off-road.
A energia dinâmica continua presente, pela traseira do Kauai. Especialmente chamativo na cor desta unidade 4×4 que testámos, este SUV compacto de segmento B realça-se desde logo pelos faróis LED, assim como pelo arrojo do design do para-choques, onde nem sequer falta uma simulação de proteção, como se de um todo-o-terreno se tratasse. O objetivo passa por traduzir uma personalidade musculada, sólida, segura. Nestas fortes linhas posteriores, também merece destaque a forma como foram desenhados e colocados os piscas/sinalização de marcha-atrás/faróis de nevoeiro.

Cumprir na Função

O interior do Hyundai Kauai não é o mais apelativo do segmento, longe disso. No entanto, está totalmente dotado de funcionalidade e competência. Funcionalidade na forma como disponibiliza acesso fácil às funções, que se podem localizar no volante, painel de instrumentos e no sistema de infotainment, disponível no topo da consola central, num touchscreen de 7″. Competência, pelo amplo espaço que disponibiliza a cinco passageiros, embora, na nossa opinião o ideal sejam mesmo quatro, que viajarão desfrutando totalmente de um ambiente acolhedor.

Tal como normalmente acontece nas ‘agressivas’ propostas coreanas, o Hyundai Kauai 1.6 T-GDi 4×4, aposta numa recheada seleção de equipamento, num espaço que não é de design arrebatador, mas essencialmente aposta num sentido prático. Na unidade testada, havia detalhes fortes que pretendiam interagir com a tonalidade do carro, visíveis no rebordo dos bancos, totalmente em pele, no rebordo dos ‘respiradores’ da climatização, nas costuras do volante, contorno da caixa automática DCT de 7 velocidades e ainda nos cintos de segurança.
O Hyundai Kauai 1.6 T-GDI está recheado de equipamento. No seu interior, conta com: Ar condicionado automático 1 zona com sistema de desembaciamento automático, Apoio para braços dianteiro com compartimento para arrumações, Banco do condutor com ajuste elétrico do apoio lombar, “Cruise Control” com limitador de velocidade e comandos no volante, Chave Inteligente com botão de ignição, Vidro do condutor com sistema de segurança e função automática (auto up/down), Vidros elétricos (Frente e atrás), entre outros equipamentos. Já como equipamento exterior e de segurança, é possível contar com: Espelhos exteriores aquecidos, com indicadores de mudança de direção em LED com regulação elétrica, Jantes em liga leve de 18″ em dois tons, Luzes de circulação diurna em LED, Câmara de auxílio ao estacionamento traseira com linhas dinâmicas, Sistema de alerta de fadiga do condutor (DAW), Sistema de Manutenção à faixa de rodagem (LKA), 6 Airbags – Condutor, passageiro, laterais dianteiros e de cortina, ABS, Faróis de nevoeiro dianteiros, HAC/DBC (Controlo de Arranque em Subida e Controlo de Descida), HMSL (Luzes de travagem de Emergência no Spoiler), Pneu de socorro temporário, Sensor de chuva (Limpa para-brisas de ativação automática), Sensor de luz (Faróis de acendimento automático), Sensores de estacionamento traseiros, TPMS (Indicador de perda de pressão dos pneus) “Highline” (indica o pneu afetado), VDC, ESC e ESP (Controlo Eletrónico de Estabilidade), entre outros equipamentos.

Motor 1.6 Com 177cv

Quem quiser optar por ter um Hyundai Kauai como o seu automóvel, poderá escolher entre duas motorizações, uma de 1.0 litros (120cv), ou então a que equipa a unidade que testámos, um interessante 1.6 T-GDI capaz de assegurar 177cv, a partir de 265 Nm, disponíveis entre as 1.500 e as 4.500 rpm.

A proposta 1.6 T-GDI presente nesta versão 4WD do Hyundai Kauai é a mais penalizadora no capítulo dos consumos, com valores anunciados de 8.0 l/100 km em consumo urbano, 6.0 l/100 km em consumo extra-urbano e 6.7 l/100km em média combinada. Nas nossas mãos, nunca baixou da média de 7.5 l/100km. Ainda assim, tendo em conta que disponibiliza notáveis 177cv, os consumos não deixam de ser bons, embora nunca possam competir com os valores do Kauai com motor 1.0 T-GDi. Também não têm como competir as prestações dinâmicas, com esta proposta de tração integral a necessitar de 7.9s a chegar dos 0 aos 100km/h, atingindo os 205 km/h de velocidade máxima. De referir também que a média combinada de emissões de CO² é de 153g/km.

Em Estrada – Um Doce Sabor do Pecado

É sem dúvida uma pena que uma proposta deste tipo acabe por ser tão penalizada, a ponto de chegar ao consumidor final a um preço exorbitante de €29.326.36. Inaceitável! Com uma estética que, honestamente, nos agrada pela irreverência das linhas globais do automóvel – traseira incluída -, o Hyundai Kauai 1.6 T-GDi de tração integral é uma excelente proposta para o segmento crossover, decerto a que terá mais saída de entre as ofertas da marca, em qualquer país que não Portugal. Com um motor bastante elástico, que com um notável binário permite máximo aproveitamento das suas capacidades e da tração integral, este crossover garante prazer de condução como poucos, entre a sua concorrência. É dinâmico, tem um desempenho interessante em curva e tem cavalos suficientes para aquelas situações em que necessitamos de capacidade de resposta em saída. Gostámos sinceramente do equilíbrio do chassis e da travagem, não gostámos tanto da posição de condução em que, na nossa opinião não nos serve com o mesmo prazer que outros modelos, como por exemplo um Volkswagen T-ROC ou um Mazda CX-3. Ainda assim, também se destaca positivamente pelo conforto dinâmico proporcionado e, nesse capítulo, bate os dois modelos da ‘concorrência’ que aqui referi.

Durante os dias em que ‘testámos’ esta proposta coreana, pudemos saborear um pouco do ‘pecado’, de conseguir perceber as vantagens de um veículo 4×4 com potência. Esperemos que um dia, as mentalidades de quem legisla e penaliza estes veículos, possam evoluir para algo que faça sentido.

Texto: Jorge Cabrita  Fotos: José Lourenço, Jorge Cabrita, Oficiais