O Suzuki Swift 1.2 GLX+ SHVS é uma proposta interessante para quem procura um utilitário híbrido a gasolina, com desempenho eficiente, imagem alegre tanto no interior como exteriormente, tudo isto a um preço competitivo. 

O nosso primeiro contacto com um elemento da família Suzuki teria que ser com uma das propostas com maior sucesso daquele construtor nipónico, o Swift. Na sua sexta geração, este compacto modelo surge mais largo, mas também mais competitivo no capítulo das motorizações, com a aposta atual a recair exclusivamente nos blocos a gasolina. Trouxemos para um Flash Teste o 1.2 GLX+ SHVS (Smart Hybrid Vehicle by Suzuki) e, após os dias em que dele pudemos desfrutar, ficou a sensação de que a proposta merece atenção cuidada e nota positiva.

Bem Mais Que Uma Nova Face

Às vezes não é preciso redesenhar completamente um modelo com o passar dos anos, para que este possa ter nova vida e ser eficiente como proposta que começa, ou não, por agradar pela estética. Quer queiramos crer ou não, a verdade é que é sempre a imagem que primeiro nos sugere o gosto ou desgosto por um automóvel. Se a imagem nos agradar, então trataremos de saber como é o resto. Gostos à parte, a verdade é que, se o Swift sempre foi senhor de uma imagem ‘castiça’ muito própria, não o é menos o facto de que já havia algum desgaste visual. Então, a marca decidiu mexer no detalhe, acabando por conseguir um resultado final que acaba por ser extremamente feliz. Exteriormente, a mais recente geração deste ‘pequeno’ Suzuki está mais apelativa que nunca, conseguindo ao mesmo tempo ser enternecedora e agressiva. Sim, porque a linha atual do Swift não faz distinções, agrada por motivos diferentes a homens e mulheres, jovens e ‘maduros’.

O automóvel cresceu, embora exteriormente não dê muito essa ideia, até porque isso só aconteceu na largura. Está mais curto e baixo. Mas a verdade é que facilmente percebemos que no Swift as linhas ganharam substancialmente em ‘appeal’ e ambição. O sexto membro desta família não deixará de se vender pela imagem, não senhor.

Interior Simples

Quase que poderíamos dizer que o interior do Swift é rude, tal a simplicidade dos traços e dos instrumentos acessíveis para quem viaje neste Suzuki. No entanto, essa rudeza não é necessariamente má.  Há que ver em detalhe o propósito e a funcionalidade deste espaço, para melhor opinar ou classificar.

O habitáculo deste utilitário extrai as vantagens do crescimento em largura, possibilitando mais espaço e conforto aos ocupantes. Ainda assim, continua a ser complicado na nova geração Swift a disponibilidade para pessoas de elevada estatura, seja na frente ou atrás.

Também não está propriamente dotado de espaço na bagageira, que apenas disponibiliza 265 litros numa utilização convencional. Com bancos rebatidos, para uma utilização a solo ou de duas pessoas, estes números podem chegar aos 947 lt.

Relativamente ao ambiente para quem está ao volante, ou se preferirem nos bancos dianteiros, temos um tablier simples, sem luxos, mas que na unidade ensaiada incluía um écran de 7″ na consola central, onde acedemos a várias funções, como o sistema de navegação, funções multimédia, rádio e até mesmo ao telefone. Ainda na consola central, temos acesso a tudo o que faz falta, embora o espaço seja na essência básico, o que acontece em muitos outros modelos da ‘concorrência’ no segmento.

Um ‘Mid Hybrid’ Para Apostar na Poupança

Diz a marca que este motor 1.2 a gasolina, com 90cv de potência é um ‘mid hybrid’. Não se trata, convém clarificar, de uma unidade híbrida, mas de um motor de combustão que tem alguma ajuda de um sistema designado Smart Hybrid Vehicle by Suzuki, para tirar partido de um gerador ISG nos arranques, onde pretende poupar no consumo de combustível assim como nas emissões de CO². Este ‘detalhe’ aliado a uma caixa de 5 velocidades (manual), permite obter médias de 4.0 l/100km, isto dito pela marca, já que nós gastámos mais um ‘litrinho’ a cada 100 km. Nada de grave, no entanto.

Em Estrada – Francamente? Gostámos!

Convém dizer que, não tendo nós ficado propriamente encantados com o ambiente interior deste Swift, rude como já mencionámos, houve alguma desconfiança inicial relativamente ao desempenho. Tudo isso muda ao fim de poucos quilómetros, até porque apetecia desfrutar do dia de sol na Serra da Arrábida e nada ia atrapalhar a nossa disposição. A verdade é que cedo notámos que este ‘pequeno’ Suzuki renovou a face mas continua giro de guiar. A posição de condução, não sendo perfeita, acaba por satisfazer. A caixa é ‘curtinha’ e precisa e disso nós gostámos muito. O motor, talvez até pelo desempenho do gerador ISG, resulta bastante suave,  podendo ser classificado como satisfatoriamente elástico. A suspensão é suave mas eficiente, até mesmo no conforto, embora por vezes dê a ideia de ser imprecisa. Mas, honestamente não o é, apenas necessita alguma habituação.

Na essência, este novo Suzuki Swift faz jus à sua fama como modelo e apresenta-se interessante, mais ainda se virmos o seu preço, na faixa dos €15.300. O bom comportamento em estrada, o ser económico nos consumos e a imagem, que muito nos agradou, ajudam a completar a ideia de que esta é uma proposta que vale a pena considerar.

Texto e Fotos: Jorge Cabrita

Ficha Técnica Suzuki Swift 1.2 GLX+ SHVS

Motor: Gasolina, 4 cilindros, Injeção multiponto
Cilindrada (cc):1.242
Diâmetro X Curso (mm): 73,0 x 74,2
Taxa de Compressão: 12,5
Potência (cv/rpm): 90/6000
Binário (Nm/rpm): 120/4400
Transmissão/Direção: Dianteira, Manual de 5 velocidades/Pinhão e cremalheira, assistida
Suspensão (ft/tr): Independente tipo McPherson/Barra de torção
Prestações:
0 a 100 km/h (s): 12,3
Velocidade máxima (km/h): 165
Consumos anunciados (Urbano/Extra-urbano/Misto) (l/100km): 4,5/3,7/4,0
Dimensões e Pesos:
Comp./Larg./Alt. (mm): 3840/1735/1495
Distância entre Eixos (mm): 2,450
Largura de Vias (ft/tr) (mm): 1520/1520
Travões (ft/tr): Discos ventilados/Tambor
Bagageira (lt): 265 a 947
Depósito (lt): 37
Pneus (ft/tr): 185/55 R16
Peso (kg): 1,365
Preço (€): 15.272